terça-feira, 7 de abril de 2009

Clique na imagem
para verouvir
as cenas iniciais de
O príncipe e a parisiense
(Boisrond, 1957),
com Brigitte Bardot,
o filme que inaugurou o Cine Nordeste, de Natal
(vide foto de Jaeci Emerenciano),
em dezembro de 1958


BALAIO PORRETA 1986
n/ 2621
Natal, 7 de abril de 2009

O mundo do sonho é silencioso como o mundo submarino.
Por isso é que faz bem sonhar.
(Mario QUINTANA. Caderno H, 1973)


10 POETAS POTIGUARES
Abimael Silva

Ferreira Itajubá
Jorge Fernandes
Zila Mamede
Walflan de Queiroz
José Bezerra Gomes
Nei Leandro de Castro
João Lins Caldas
Abner de Brito
Miguel Cirilo
Jarbas Martins


TEXTO
Glauco Mattoso
[ in Jornal Dobradil, n° 11, anos 70 ]

Se o poema é uma merda, não te agrada. Você é o leitor.
Se o poema não te agrada, é uma merda. Você é o crítico.
Se o poema é uma merda, te agrada. Você é o poeta.


CALOR
Mario Ivo. D. Cavalcanti
[ in Cidade dos Reis ]

Esse calor devora por inteiro as plantações que tenho em mim semeadas, corrói quase sem esforço sem pausa sem tomar fôlego sem cobrar propina o corpo em que deambulo na busca vã de.

Esse calor incêndio consome carnes pêlos planta dos pés onde nascem enguias e estrelas, onde crescem mato e artrites, onde fenecem sonhos, onde de mim escarnecem olhos dentes e.

Esse calor maltrata, chicoteia, açoita, lambe feridas, recolhe ossos, planta plantas devoradoras de homens, resvala feito alma bala perdida na placidez de outro corpo recolhido ao.

Esse calor inquieta. Julga. Molesta. Condena. Exila-me de ti.

RECEITA PARA VOAR
Inês Motta
[ in ObjetoObscuro ]

Pegou o pacotinho com uma mistura de 20 gramas do cheiro da lata de biscoito da sua infância; 10 gramas do cheiro do lençol velhinho lavado na pedra; 30 gramas da emoção que era a "odisséia" de ir de férias pra casa do avô; 20 gramas dos sons difusos e misteriosos das conversas dos adultos ao anoitecer; 10 gramas do gosto das chupetas roubadas da boca dos irmãos mais novos; 20 gramas do deslumbramento pela primeira visão do arco-iris; 30 gramas do som dos pingos da chuva no seu teto de telhas novas e 20 gramas do medo do escuro que nunca teve. Bateu tudo no liquidificador, acrescentou uma pitadinha da alegria do tio-padrinho "Amor", tomou lentamente e saiu. Uma pena branca ficou presa à janela.

11 comentários:

pedrita disse...

eu não vi esse filme. bela foto. adorei o receita pra voar. beijos, pedrita

Mirse disse...

Lindo Moacy!
Et vive La France, la fontaine bleu...trés jolie!
Paris antique. Muito bom. Como era bom viver naquela época. Deu saudades de Paris.
Fabuloso o texto do Glauco Mattoso. A mais pura verdade.
Mario Ivo, igualmente majestoso, tropeçando nas falas de Manoel de Barros com muita maestria.
E a receita para voar, é maravilhosa, só que atualmente não existem esses ingredientes.

O blog hoje está 1000!

Parabéns,

Beijos

Mirse

P.S. Adoro blogs que não nos obrigam a decifrar códigos para deficientes.

Mariana disse...

adorei! adorei o balaio de hoje.

Ines Motta disse...

Olá, Moacy
Obrigada por publicar uma receita da "nossa" culinária. Sei que já conhece o saber.
A Foto do Morro, é minha, sim. Fique à vontade para publicá-la.
Beijos.

Mme. S. disse...

Estou em falta com você e com os demais porque me falta tempo e acesso à internet, caro. Sua amiga tá com dificuldades de acessar a rede diariamente... um beijo grande, S.

Jens disse...

Oi Moacy:
Ainda estou atrapalhado por aqui, mas não podia deixar de conferir a minha intervenção (soberba) no Livro dos Livros, aí embaixo. Talvez por conhecer melhor alguns dos personagens, este foi o episódio que mais gostei (o fato de eu ser um personagem é apenas um detalhe, hehehe...).
Um abraço e chumbo neles!

|REDE|BLOGO| disse...

...PASSEI POR AQUI..

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Muito bons os textos de Mário Ivo e Inês Mota, principalmente este. Pelo visto, você adiou sua volta ao Rio. Mas voltará a tempo de ver o Fla-Flu decisivo? Um abraço

Lívio Oliveira disse...

Gostei de ver o Nordeste, o cine, explícito aqui!
Abração, Moacy!

T@Z disse...

Vendo a foto do Cine Nordeste, percebi que a fachada se parece muito com a fachada do Teatro Guaíra de Curitiba, a fachada do Guaíra é obra de Poty Lazzaroto, será que alguem podia me informar de quem é a obra na fachada do Cine Nordeste?
obrigado.

meu blog fica nesse endereço: www.bichodoparana.com

Anônimo disse...

relembrando o punk mattoso.

giulianoquase.