sexta-feira, 29 de maio de 2009

Clique na imagem
para verouvir
o belíssimo choro
Bole bole
(Jacob do Bandolim, 1967)
interpretado pelo Trio Madeira Brasil
& conjunto, incluindo
Zé da Velha e Silvério Pontes
[ Dica: Nina Rizzi]


BALAIO PORRETA 1986
n° 2676
Rio, 29 de maio de 2009

Contradigo-me? Pois bem, então contradigo-me.
Sou extenso, contenho multiplicidades.
(Walt WHITMAN, citado por Nydia Bonetti)


50 ANOS DA REVISTA SENHOR
Na história do jornalismo cultural brasileiro nada se compara à revista Senhor (lançada no Rio em março de 1959; encerrada em janeiro de 1964). Quer temática, quer graficamente, a revista - que pretendia ser voltada para o público masculino, sem apelações machistas, mas que logo atingiu o público feminino - primou pela excelência de seus colaboradores: textos ficcionais inéditos de Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Antônio Callado, Aníbal Machado, Truman Capote, James Baldwin, Albert Camus, Mary MacCarthy, entre muitos outros, poemas de João Cabral, ilustrações de Jaguar (na quase totalidade), Fortuna, Marius, fotos diversas, além de textos críticos e/ou ensaísticos de José Guilherme Merquior, Glauber Rocha, Ferreira Gullar, Eneida, José Honório Rodrigues, Luiz Lobo, Sérgio Porto, Alex Viany, Salvyano Cavalcanti de Paiva, Jean-Paul Sartre, e assim por diante. E mais as entrevistas. E mais as criativas e variadas capas, algumas delas assinadas por Glauco Rodrigues. E os números especiais (sobre o carnaval, o Natal, a mulher)? Verdadeiras preciosidades. Durante muito tempo, Reynaldo Jardim foi seu diretor. Ah, sim: havia uma ótima seção - quase um encarte - com o nome de Balaio. Uma coleção completa da Senhor, hoje, vale uma pequena fortuna -
por seu valor literário, por seu valor artístico,
por seu valor editorial.


Publicada na Senhor de abril de 1962
A ENTREVISTA DE ANTONIO MARIA
COM VINICIUS DE MORAIS
que resultou no
DECÁLOGO DO POETA PARA A MULHER AMADA

"1 - Amar a mulher amada sobre todas as coisas.
2 - Não tomar o seu santo nome em vão,
e não brincar em serviço.
3 - Guardar todos os domingos para ela
e fazer-lhes milhões de festas.
4 - Ser um pouco pai dela e ela um pouco a mãe da gente.
5 - Só matá-la de amor, ou por amor.
6 - Pecar o mais possível contra a sua castidade.
7 - Nunca furtar para dar-lhe coisas.
Furtar é um crime vil
e a mulher que ama precisa respeitar o seu homem.
8 - Ser absolutamente discreto em tudo
que se relacione à mulher em geral.
9 - Fazer toda a força possível para não desejar
a mulher do próximo.
O preço do amor é uma eterna vigilância.
10 - Não cobiçar as coisas alheias,
pois à mulher que ama, basta-lhe o amor do ser amado".

15 comentários:

Mirse disse...

Bom dia Moacy!

Esse Bole bole de Jacob do Bandolim, é demais! Parece um tango em outro ritmo. A Nina tem muito bom gosto!

Nydia Bonetti é sábia! E como ela contém razões!

Apesar de já ter 14 anos, mas não lembro dessa revista, ou meu pai não permitia....

E o Vinícius! Ah! o Vinícius, quem não se apaixona por um cara assim...com esse respeito à mulher!

Lindo o Balaio de hoje

Beijos

Mirse

Mariazita disse...

Olá, Moacy
Logo pela manhã respondendo ao apelo do "comercial" :)))
Este post tem muito sumo!!!

1 - Essa música é lindíssima. Eu sou suspeita porque gosto muito de música brasileira...mas gostei muito. Não conhecia.

2 - A revista "Senhor" ter tido sucesso imediato não admira. Outra coisa não seria de esperar, com "monstros" da arte de escrever, e não só, como os que lá colaboraram...Pena ter tido vida tão curta - um pouco menos de cinco anos.

3 - "Decálogo do Poeta para a mulher amada" - dizer o quê do GRANDE poeta Vinícius? Seria até um crime tentar comentar.

Se vc me permite (e não tem como não...) vou copiar este "Decálogo" para oportuna publicação num de meus bogs. Com os devidos créditos, é claro!!! - como é meu hábito.

Depois de todo este arrazoado - quase parece um post... - resta-me dar-lhe os parabéns.
Tem aqui um post à maneira :)

Até logo

Bjs
Mariazita

PS - Use o "comercial" sempre que lhe aprouver. Marketing bem feito não está ao alcance de todos...

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

A VEJA COM SEUS COMENTARISTAS GENIAIS, COM SEUS GÊNIOS INDISCUTÍVEIS É MUITO MELHOR.
DIOGO MAINARDI RELATIVISA DOSTOIEVSKI. REINALDO AZEVEDO É MELHOR QUE GUIMARÃES ROSA.
ATÉ TEMPOS ATRÁS EU IDOLATRAVA VEJA. HOJE ACHO-A UM REVISTA EM FRANCA DECADÊNCIA.
ESSE TIME DA REVISTA SENHOR É FANTÁSTICO.

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Que bom ouvir a verdadeira, a pura música brasileira, da qual Jacob foi um dos nomes mais representativos! E o gingado daquela mulata, hem? Infelizmente, nunca li a "SEnhor". Uma das minhas frustrações. Um abraço.

Mariana Botelho disse...

que delícia de balaio, moacy!

adorei esse chorinho.

Dilberto L. Rosa disse...

Rapaz, sou fã do Jacob desde os bons tempos em que compartilhava, menino, a vitrola de meu avô com seus LPs fantásticos, trouxeste-me emoção com esse 'post'...

E como o velho Vinha era sábio em sua prosa sofisticada do populacho de nossos bares e entrevistas informais...

A contradição é mesmo uma arte...

Abração, meu caro!

nina rizzi disse...

moacy :)

jacob do bandololim pra mim é o maior chorão. de ladinho assim com pixinguinha. eu tinha a mais absoluta certeza que vc gostaria. música e mulata re-quebrando, ui, belo-belo-tudos-quero...

eu vejo em alguém essa coisa de poetinha. essa coisa viniciosa. ai, que coisa mais boa ser tratada assim. gosto em particular do 4,6 e do 7. mais do 6.. rsrsr...

da revista só li um número encontrado num arquivo. é mesmo pra sambar, senhor!

ai que vontade de sair re-quebrando por aí...

beijo :)

Jens disse...

Oi Moacy.
Ouvi falar muito, mas não cheguei a ler a Senhor. Agora, provando o aperitivo que gentilmente ofereceste, me deu vontade de ter nascido uns 10 anos antes.
Um abraço.

BAR DO BARDO disse...

jacob, walt, nydia, sr., antônio maria, vinicius, moacy: que balaio!

romério rômulo disse...

moacy:
o diretor artístico da SR. no seu primeiro ano e meio foi o meu camarada carlos scliar.ele levou pra lá o glauco rodrigues e o jaguar.
um abraço.
romério

Nydia Bonetti disse...

Oi Moacy!
Que delícia este bole bole...
E por falar em revista, esta tua garimpagem pela net, pela literatura, pela arte em geral, a dinâmica das edições, esta mistura boa, faz do Balaio uma revista das mais interessantes. Quanto à frase de Whitman, nos atinge em cheio: E quem não é?
Beijo

tete bezerra disse...

Moacy seu blog é sempre prazeiroso!!!

Cosmunicando disse...

ah Vinicius e sua sabedoria... rs

nossa, como eu queria uma coleção da revista Senhor!!

beijos

homoluddens disse...

Moacy, adorei descobrir essa Revista Senhor. Depois que li aqui fiz uma busca na net e encontrei outros materiais. Há algum tempo o Balaio Vermelho divulgou o lançamento de um livro escrito por um poeta chamado Paco Cac sobre as revistas literárias brasileiras. Já corri vários livrarias, sebos e nunca encontrei esse livro. Na Biblioteca nacional tem, mas ainda não está disponível para consulta. Bom, estou falando isso porque conhecer essas revistas me interessa bastante, gostaria que vc fizesse mais posts citando antigas revistas.
abraços.

Adrianna Coelho disse...


adorei a do Whitman, e esse mandamento tinha que pegar, ser seguido:

8 - Ser absolutamente discreto em tudo
que se relacione à mulher em geral.


ótimo! rsrsr