quinta-feira, 28 de maio de 2009

Pastorais taitianas
(1893)
Paul Gauguin


BALAIO PORRETA 1986
n° 2675
Rio, 28 de maio de 2009

A poesia de Jó é sempe assombrosa em sua força e inventividade. Sua compressão permite possibilidades múltiplas de interpretação, correspondendo à visão de realidade aberta e não resolvida do autor. Ela é um veículo maravilhosamente apropriado para um escritor empenhado em estimular-nos a ver as coisas de maneiras novas.
(Moshe GREENBERG, in Guia literário da Bíblia, 1987)


O LIVRO DOS LIVROS
(31b)

Texto estabelecido por Escribas Anônimos

O Livro de Jó da Silva e Silva
- Parte 2 -

E a aposta foi sacramentada entre o Senhor das Sombras e o Senhor das Alturas, sem os acréscimos propostos pelo Anjo Subalterno, mas com uma condição imposta pelo Altíssimo: se Ele vencesse, doaria os prêmios para o futuro Ginásio Diocesano Seridoense, em Caicó; se o vencedor fosse o Anjo Escorregadio, o prêmio seria doado para as raparigas do Cai Pedaço e do Pinga Pus, igualmente na Caicó do futuro.

E assim aconteceu. E aconteceu assim.

No primeiro dia após a aposta, graças ao poder do Senhor das Sombras, desabou um toró dos diachos(¹) sobre o sítio de Jó da Silva e Silva. E mais de 1000 raios caíram sobre os seus bois, ovelhas e jumentos. Todos morreram. E morreram todos. Em seguida, os filhos e as filhas se afogaram quando tentavam atravessar o Rio Acauã.

Ao saber do fato, Jó da Silva e Silva momentaneamente ficou lelé da cuca, rasgou a roupa que o cobria, raspou a cabeça, chutou as paredes de sua casa, urrou feito um cão raivoso e disse aos berros:

"Nu saí do ventre de minha mãe
e nu voltarei para lá.
O Senhor deu, o Senhor tirou
bendito seja o nome do Senhor.
Daqui não saio
daqui ninguém me tira"(²).

E sua mulher, também abatida, consolou-o. E seus vizinhos, espantados com o estranho e cruel acontecimento, consolaram-no. E Paulo Balá Bezerra o consolou. E os demais amigos o consolaram. Todos, como bons seridoenses, mostraram-se solidários.

Mas atroz era o seu sofrimento.
Mas terrível era a sua dor.
Mas 1000 vezes maldita era a sua tristeza.

E no segundo dia, diante dos amigos, o desesperado Jó disse:

"Senhor das Alturas, eu Te adoro,
mas por que não morri já no ventre materno,
ou pereci ao sair de suas entranhas?
Por que me recebeu um regaço
e peitos me amamentaram?"

E repetiu:
"Senhor das Alturas, eu Te respeito,
mas por que não morri ao deixar o ventre materno,
ou pereci ao sair das entranhas?
Por que me recebeu um regaço
e seios me deram de mamar(³)".

E a esposa e os amigos choraram com ele e não sabiam o que dizer.

Ao longe, do alto da Serra da Lagoa Seca, o Senhor das Alturas disse: "Como fui idiota em me deixar enrolar pelo Senhor das Sombras. Afinal, como Criador de todo universo, se sou o Verbo Divino, não era para ter duvidado(ª¹) da perseverança de Jó, o meu bom e honesto Jó".

E o Senhor das Sombras retrucou: "Se és o Verbo Divino, sou o Substantivo Plural(ª²). Aposta é aposta. Tenho mais cinco dias para me consagrar como vencedor".

(Continua)

Notas:

(¹) Toró dos diachos : Pé d'água apaideguado; chuva de proporções bíblicas [Paid'égua : enorme].
(²) Os dois versos finais, que lembram uma famosa música carnavalesca do século XX da Era Comum, são atribuídos à loucura momentânea de Jó da Silva e Silva, com implicações metafísicas e antropológicas.
(³) Nos dois casos de poeticidade explícita, os Escribas Anônimos valeram-se do teólogo Luis Stademanannius, da família das Vozes Petropolitanas, excetuando-se os dois versos mencionados na nota anterior.
(ª¹) Haveria aqui uma possível contradição do texto bíblico? Afinal, o Senhor das Alturas fora bastante firme na parte incial do relato de Jó: em nenhum momento, Ele duvidou da Fé do cearense-seridoense.
(ª²) Substantivo Plural : Diz-se daquele que é adepto da seita medieval dos substantivistas fanáticos por arte e literatura, sob a coordenação do alquimista Tacitus Costaverdi. [Em tempo: seus membros não se consideravam "substantivistas" e sim "Substantivos", assim como os poetas concretos do séc. XX da Era Comum rejeitam a expressão "poesia concretista".] Seria então o Senhor das Sombras um Substantivo Plural? Nenhum Concílio Ecumênico - seja o de Caicó, seja o de Acari, seja o de São José do Serido, sejam os demais - chegou a uma conclusão teológica definitiva sobre a questão assim colocada.

11 comentários:

Mirse disse...

Olá Moacy!

Bom Dia!

E que dia, começando com Paul Gauguim. Belíssimo!

Por acaso (que será isso?) estou postando o Livro de Jó......Claro que o FAÇO SOB ORIENTAÇÃO. HAVERÁ PAUSA PARA O CORPUS CHRISTI.

Lendo lá e aqui, concordo com o escriba daqui. Porque o Senhor das Alturas, que de tuda sabe, e portanto sabia permitiu este sofrimento a um daqueles que o adorava?

Seria já supondo, que nós, pelos menos eu repito quase todos os dias, "melhor seria não ter nascido?" e outras coisas mais?

É realmente um livro lindo, mas é triste.

E como aqui tudo acaba em forró ou aposta, com certeza ele ganhará.

Ele devia ser fluminense, não acha, Moa?

Beijos

Mirse

nina rizzi disse...

eu sou LOUCA por gauguin. e é por essas e outras e que lhe estou a preparar algo ;)

beijo e inté já.

Ines Motta disse...

Louvado sejam os Escribas Anônimos.
Louvado seja o Livro dos Livros e o Livro de Jó da Silva e Silva.
Lindo Gaugin.
Bom dia, Moacy.
Beijos.

Jens disse...

Brrr...Moacy, poético e dolorosamente belo.

(Cai Pedaço e do Pinga Pus - que maravilha!).

Um abraço.

BAR DO BARDO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BAR DO BARDO disse...

Essa bíblia está dando o que falar...

Tahiane disse...

Nunca li a bíblia toda, me interessei em ler o apocalipse apenas...não sei se é uma espécie de preconceito devido a minha posição em relação aos que interpretam a bíblia...enfim

Gaugim gênio...
como sempre seu blog está ótimo moacy

abs

nina rizzi disse...

pronto. vai te ellenizar, cabra :)

Nydia Bonetti disse...

Lindo este Gauguin, Moacy.
Quanto ao livro de Jó, sempre me impressionou muito, na forma e especialmente no conteúdo. Temos todos um pouco de Jó, não temos?
Um beijo.

Mariazita disse...

Mais um óptimo capítulo de "O Livro dos Livros". Se eu encontrasse a obra completa à venda, comprava, não tenha dúvida.
Mas já me ocorreu uma coisa: imprimir os capítulos que já foram publicados, e lê-los com toda a calma. É isso!!! É o que vou fazer.

Fiquei muito feliz por você ter gostado do meu post na "Casa".
Tenho uma grande admiração por Dom Hélder Câmara. Oportunamente publicarei mais textos dele; tenho imensos gravados.

Noite boa

Um beijo
Mariazita

Avassaladora disse...

Moço, um texto excelente... A interpretação é que faz o diferencial... Essa dá pra pensar um bocado!

A tela de Gauguim é um espetáulo a parte...


Beijos avassaladores