quarta-feira, 13 de maio de 2009


Foto:
Scott Murdoch


BALAIO PORRETA 1986
n° 2660
Rio, 13 de maio de 2009

A Arte verdadeira tem a capacidade de nos deixar nervosos. Quando reduzimos a obra de arte ao seu conteúdo e depois interpretamos isto, domamos a obra de arte. A interpretação torna a obra de arte maleável, dócil. // Este convencionalismo da interpretação é mais evidente na literatura do que em qualquer outra arte.
(Susan SONTAG. Contra a interpretação, 1964)


MULHER
Nei Leandro de Castro

Mulher: ternura previsível, imprevisível
que vai e se esvai na planície da cama.
Colinas, colunas de marmore onde se gravam
o som, o sonho, o sono de quem ama.
Mulher: feita de beijos, calor, sombra de arminho,
belo e bravo animal, animalzinho, orgulho da raça
quando vai à luta e prende e conquista
o homem, só alumbramento e caça e caça.
Mulher, não importa a cor do seu olhar.
O que emerge é a força, a sedução, a luz
que vem dos seus olhos, seios, lábios
e tudo mais que cobre de ternura e seduz.


TRADUÇÃO-HOMENAGEM
A EDMOND JABÈS
(1912-1991)
Fragmentos
Max Martins
[ in Não para consolar, 1992 ]

Não negligencia o eco, pois é de ecos que tu vives.

Uma folha branca está cheia de caminhos.

Ele interroga as palavras que o interrogam.

O livro nos lê.

Só o leitor é real.

O humor é poesia. O cômico é prosa.

A aurora cria o galo.

A memória do poeta é sem tempo.

O sexo é sempre uma vogal.

As palavras elegem o poeta.

O louco é a vítima da rebelião das palavras.

A imagem é formada de palavras que a sonham.

Pronunciada, a palavra voa; escrita, ela nada.

As palavras têm os sons por sombra.


POEMA
Orlando Pinheiro da Silva
[ in Totex, em 18/09/2008 ]

o que vem depois das citações

o que não há surge
o que não há inventa-se
o que não há inicia-se

o que nasce quando há silêncio

12 comentários:

Lívio Oliveira disse...

Belo post, Moacy! A imagem é de uma sutileza sensível e o poema de Nei é excelente!
Abraços.

líria porto disse...

bom dia, moa! caio no balaio antes de tomar café!
besos

Mirse disse...

Bom dia Moacy!

A arte da fotografia e a definição da arte, estão maravilhosas.

Os tres poemas estão fantásticos!

Tudo perfeito, como manda sua índole.

Parabéns, amigo!

Beijos

Mirse

líria porto disse...

moa - depois do teu comentário, acrescentei um último verso ao "rixas" - nem sei se necessário, explicativo demais...
besos

Mariana Botelho disse...

Moa! Que Balaio! Que foto é éssa, linda demais. Sutilíssima.

bom dia!
abração

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
De fato, uma das funções da arte é de provocar, perturbar, incomodar o receptor. E que belo traseiro, hem? Na postagem anterior, achei bom você ter divulgado a poesia de Renato Caldas, ele e Moisés Sesyom são os dois melhores poetas populares do RN. Um abraço.

Mariazita disse...

Olá
Começo pela foto, que considero de grande beleza.
Os poemas são bons - o "Mulher" é bonito, sim, mas com um ligeiro traço machista...
Quanto ao seu comentário no "Histórias"...
terá sido mesmo Deus a tirar a asa, ou foi o próprio Homem que a tirou???
Inclino-me mais para a segunda hipótese...

Nordestino! É isso aí!
A minha geografia é muito fraca, mas penso que Minas fica no Nordeste, certo?

Tenho uma grande amiga nordestina, é socióloga, foi professora numa qq universidade, escreve crónicas muito boas, tem vários livros publicados.

E tenho guardado um texto belíssimo, escrito por D.Hélder Câmara, sobre os jumentinhos do nordeste, para publicar brevemente, já que este ano é o centenário da sua morte.

E mais não digo, porque já disse muito! :)))

Um beijo
Mariazita

Mme. S. disse...

A foto é um sonho, e a poesia, a concretização do sonho. Lindo, lindo, como você sempre se mostra. Um beijo, sua menina, S.

BAR DO BARDO disse...

Bons textos!

orlando pinhº d-silva disse...

muito honrado,
muitíssimo obrigado,
hermano de travessia poética!
grande abraço!

Pedrita disse...

belos poemas. beijos, pedrita

Oliver Pickwick disse...

Arte verdadeira ou não, a fotografia que ilustra este post é de deixar nervoso, caro Moacy, de igual modo à garota da fotografia abaixo. Gracioso perfil. Graciosa garota.
Por outro lado, suponho que até mesmo a equipe daquele seriado norte-americano, C.S.I., encontraria dificuldades em esclarecer que obra de arte é verdadeira, ou não.
Li alguns poemas dos dois posts, mas da próxima vez, Moacy, vê se não se esmera tanto nas ilustrações.
Um abraço!