sábado, 19 de setembro de 2009


OS FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA
NA CAICÓ DOS ANOS 50

Clique na imagem
para verouvir
o trêiler de
A Raposa do Deserto
(Henry Hathaway, 1951)
Os filmes de guerra, sobretudo quando apresentavam o segundo grande conflito mundial como pano de fundo (e, neste caso particular, estrelado por James Mason, um dos atores preferidos da rapaziada caicoense, no papel do famoso Rommel), sempre chamavam a atenção de todos nós. A guerra era uma coisa distante, mas ao mesmo muito próxima. E os ingredientes básicos do filme alimentavam nossas expectativas de consumidores da magia cinematográfica: guerra + ação + drama (+ romance, em escala menor). E Hathaway - reconhecemos hoje - era bastante competente. Exibido em Caicó em 1958.


BALAIO PORRETA 1986
n° 2788
Rio, 19 de setembro de 2009

Henry Hathaway é um diretor cujo nome não costuma ser lembrado quando são feitas listas com os melhores diretores americanos. Mas Jean Tulard o tem em alta conta. Vejam o que ele diz em seu Dictionnaire du Cinéma: les réalisateurs. "Rapidité et efficacité, du travail vite et bien fait; telle est la marque d'Hathaway, l'un des représentants les plus brillants de la grande tradition hollywoodienne", com o que eu concordo, principalmente depois de ter (re)visto Pôquer de Sangue (Five Card Stud), inusitada mistura de faroeste com filme de mistério. Um forasteiro é enforcado após tentar trapacear num jogo de pôquer. Algum tempo depois todos que participaram do jogo vão aparecendo mortos por estrangulamento.
(Sérgio ANDRADE, in Kino Crazy)


AMBIGUIDADE
Maria Maria
[ in Espartilho de Eme ]

A chuva é ambígua:
entristece-me sonolenta
ao mesmo tempo em que resgata
imagens de ventanias passadas.


LATIM
Jairo Lima
[ in Bar Papo Furado ]

Inventarei um latim
só para mim
só para dar um ar de nobreza decadente
a uma certa nobreza decadente
que há em mim.

Inventarei um latim
que sirva de armadilha e isca
a decapitados anjos barrocos
que sorriem degolados
num velho céu azul
de telão de opereta
e giram feito carrapetas
ou helicópteros desgovernados

(hoje estão todos escondidos
como grilos
nos escuros das igrejas).

Pra todas estas coisas velhas
que desconfio belas
hei-de inventar um latim
que tenha sílabas ferinas
como o tinir das campainhas
que me espantavam
na hora da elevaçao

católico não serei não
mas hei-de ter meu latim


MINITEXTOS
Mário Quintana

[ in A vaca e o hipogrifo ]

Intérpretes
Mas, afinal, para que interpretar um poema? Um poema já é uma interpretação.

Leituras secretas

No Céu, os Anjos do Senhor leem poemas às esondidas... Os livros de poemas são os livros pornográficos dos anjos.

Ingenuidade

Mas que monótona não deveria ser a vida amorosa de Don Juan! Ele pensava que todas as mulheres eram iguais...


FEIRA DE CITAÇÕES ESPORRENTAS

Todo homem é mais parecido com sua época do que com seu pai.
(Provérbio árabe)

Técnica! "Quantos crimes cometidos em teu nome!".
(Luis da Câmara Cascudo)

O propósito do corpo é levar o cérebro para passear.
(Thomas Edison)

Os homens mentiriam muito menos se as mulheres fizessem menos perguntas.
(Max Nunes)

A civilização é uma ilimitada multiplicação de necessidades desnecessárias.
(Mark Twain)

Das três melhores coisas da vida a segunda é comer e a terceira é dormir.
(Stanislaw Ponte Preta)

Há momentos em que silenciar é mentir.
(Miguel de Unamuno)

Não é triste mudar de idéias; triste é não ter idéias para mudar.
(Barão de Itararé)

O marido não deve ser o último a saber. Ele não deve saber nunca.
(Nelson Rodrigues)

Não tenha medo da perfeição. Você nunca vai atingi-la.
(Salvador Dali)

11 comentários:

Mirse Maria disse...

Bom dia, Moacy!

Em 1958, ainda não ia a cinema, mas me atríam as fardas, principalmente dos que pilotavam aviões. Mesmo nessa época as armas eram de brinquedo perto das de hoje, e a violência se aproxima do 0.

Maria maria como sempre, o máximo!

Jairo Lima...Muito bom>

Os minitextos, ótimos e as citações,
maravilhosas.

Thamas Edison, Max Nunes e Stanislaw em destaque!


Beleza de Balaio!

Excelente sábado!

Beijos

Mirse

BAR DO BARDO disse...

Quintana... puxa!

Boa antologização assíncrona!

Sergio Andrade disse...

Meu caro, grato pela citação :)
Hathaway era um grande diretor. E James Mason era um gênio da arte de representar. Seu Rommel é tão charmoso que a gente até simpatiza com o personagem.

Um abraço!

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Gosto desse filme, que, aliás, possuo. Hathaway foi um dos representantes típicos daquele segundo time de cineastas americanos. E Mason era um ator extraordinário. Um abr

romério rômulo disse...

moacy:
o "per augusto" já caminha por aí.
um abraço.
romério

líria porto disse...

quintaninha, meu amor...

besos

Jens disse...

Salve, Moacy.
Genial a observação do Quintana sobre Don Juan e as citações esporrentas.

Um abraço.
(Amanhã, que o Flu cometa o crime contra o Grêmio).

Milton Ribeiro disse...

Aqui é o único local onde travo contato com coisas esporrentas sem fugir.

Dilberto L. Rosa disse...

Boa, Moacy: além da lembrança cinematográfica mais que justa (lembrei-me também do esquecido diretor de outro clássico de Guerra, Patton, Franklin J. Schaffner!) e as citações, mais que esporrentas! Mais um 'superpost', Mestre Caicoense! Abração!

P.S.: tem novidade nos Morcegos em edição especial!

nina rizzi disse...

moacy,

que tal fazer um poste: "como moacy virou nome de edital"? rsrsrsrs... recebi uma preá ;)

bem, hoje eu fico com o nelsson rodrigues: vinha do interior a pensar no danado.

um beijo :)

Maria Maria disse...

Oi, meu caro amigo!!!

Obrigada pela postagem, viu?
Logo mais, após a faxina geral do corpo, postagem um poema que gosto muito e, creio, que você também vai achar interessante.

Beijos,

Maria Maria