sábado, 9 de maio de 2009


FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA
NA CAICÓ NOS ANOS 50
Clique na imagem
para verouvir

cenas de
O drama do deserto
(Algar [Disney], 1953)


BALAIO PORRETA 1986
n° 2656
Rio, 9 de maio de 2009

Até março/abril de 1958 - ano de terrível seca, quando o Itans não pegou um mísero pingo d'água -, o Cinema Pax só exibira documentários de pequena metragem, aos domingos à tarde e às terças à noite, invariavelmente produzidos por Walt Disney para a série Maravilhas da Natureza. Com O drama do deserto a situação mudaria, embora fosse mais um filme Disney: tratava-se de um documentário - dirigido por James Algar e fotografado por N. Paul Kenworthy Jr. - de média-metragem, com 69 minutos. Colorido, como os demais da série exibidos em Caicó, o documentário impressionava por sua "beleza selvagem". Na época, não sabíamos que muitas de suas cenas (originalmente realizadas em 16mm por naturalistas) eram montadas a partir de efeitos e truques especiais, incluindo animação.


TERCEIRA CELEBRAÇÃO DA AMADA
Hildeberto Barbosa Filho
[ in Eros no aquário, 2002 ]

Hoje,
minha amada,
quero celebrar
tua solidão.

Com ela
partilhar o aroma
dos minutos.

Com ela
tocar a orquídea
do tempo

apalpar a água,
eternizar-me
no esquecimento.
COMPANHIA
Adair Carvalho Jr.
[ in Ventos Desencontrados ]

um dia todos os
dias trarão a
umidade dos ventos o
brilho das nuvens todas
as tardes arderão como

flores amarelas pequenos
pássaros negros na
grama verde água
de coco

o corpo para
sempre marcado saberá a
carícia morna e
mansidão


MÁSCARA
Nel Meirelles
[ in Fala Poética ]

respiro entre
o fio frio da faca
e o sabor
de lembranças
guardadas em sacos
plásticos

fujo e volto
volto e fujo
e finjo que
sou feliz

[] Penúltimo poema de Nel Meirelles,
antes de seu encantamento,
postado em 29/8/2006,
ao som de Mesmo sozinho, de Nando Reis []


6 comentários:

Adrianna Coelho disse...


muito bom esse post, moa!

suas memórias, suas escolhas nesse mundo de poesia...

aliás, que poema forte é o de Nel.

beijos!

Mirse disse...

Bom Dia. Moacy!

Cá entre nós, não dá uma inveja da natureza! Que coisa maravilhosa!

Os tres poemas são excelentes, mas fico com a Terceira Celebração da Amada de Hildeberto Barbosa Filho.

Parabéns!

Belo post para um sábado!

Beijos

Mirse

tete.bezerra disse...

Moaci conheço quase toda a obra dele,o diário além de ser um dos meus livros de cabeceira é um dos melhores no gênero confessional.Não entendo como Lúcio ainda hoje seja tão renegado e esquecido.Outra mineira que sou apaixonada é Raquel Jardim.

Aline Christal disse...

Amado! Te reencontrei...que bom!
Tenho muita coisa pra ler por aqui...
o Frida mudou de endereço, aparece por lá...

"Com ela
partilhar o aroma
dos minutos."

Abrajos!

Marco disse...

Ah, caro mestre Moacy... Lembro destes documentários, mas não no cinema. Vía-os no programa "Disneylândia", que passava na TV Tupi, todos os domingos, às 16h, se não me engano. O próprio Walt fazia a apresentação. Sempre fui fascinado por documentários da natureza. Os poemas selecionados também ao excelentes!
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

BAR DO BARDO disse...

poemas de graça...